quarta-feira, 27 de novembro de 2013

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Como é grande o amor

Somente com fé podemos ter um relacionamento significativo com Deus.


terça-feira, 19 de novembro de 2013

Melhor melhor do mundo

Desejar ser o melhor é fácil. Mas e quando você descobre que, na realidade, é pequeno?

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

O céu é de graça

Não dá pra comprar a entrada no céu. Mas você pode entrar lá e é de graça.


segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Carregue o peso

É mais fácil levar o peso quando não se está sozinho.
Levem os fardos pesados uns dos outros e, assim, cumpram a lei de Cristo.
Gálatas 6:2


segunda-feira, 4 de novembro de 2013

O poder do perdão


Perdoar é algo muito difícil. Tão difícil que existe um ditado popular que diz que errar é humano, mas perdoar é divino. Não só por o perdão ser algo tão bom que só pode ter vindo de Deus, mas também porque perdoar parece algo sobre-humano.

Hoje veremos três histórias famosas da Bíblia sobre perdão:
1-filho pródigo.

Jesus continuou: "Um homem tinha dois filhos.
O mais novo disse ao seu pai: ‘Pai, quero a minha parte da herança’. Assim, ele repartiu sua propriedade entre eles.
"Não muito tempo depois, o filho mais novo reuniu tudo o que tinha, e foi para uma região distante; e lá desperdiçou os seus bens vivendo irresponsavelmente.
Depois de ter gasto tudo, houve uma grande fome em toda aquela região, e ele começou a passar necessidade.
Por isso foi empregar-se com um dos cidadãos daquela região, que o mandou para o seu campo a fim de cuidar de porcos.
Ele desejava encher o estômago com as vagens de alfarrobeira que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada.
"Caindo em si, ele disse: ‘Quantos empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu aqui, morrendo de fome!
Eu me porei a caminho e voltarei para meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e contra ti.
Não sou mais digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados’.
A seguir, levantou-se e foi para seu pai. "Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou.
"O filho lhe disse: ‘Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho’.
"Mas o pai disse aos seus servos: ‘Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel em seu dedo e calçados em seus pés.
Tragam o novilho gordo e matem-no. Vamos fazer uma festa e comemorar.
Pois este meu filho estava morto e voltou à vida; estava perdido e foi achado’. E começaram a festejar.
Lc 15.11-24.

O filho estava sossegado em casa mas saiu pra aprontar. Pediu a herança adiantada e partiu para gastar o dinheiro querendo satisfazer algum vazio em sua alma. Claro que não conseguiu. Ele voltou correndo pra casa do Pai quando a situação apertou. E o pai o perdoou. Esqueceu tudo aquilo. O pai tinha perdido uma fortuna. Até mesmo para um rico, a metade de todo o seu dinheiro faz muita falta. Mas nada disso importava. Ele voltou!
O pai, quando perdoou, abriu mão do seu ORGULHO. Ele poderia se considerar SUPERIOR, mas não se importava com isso. Também podia fazer o filho admitir que ELE ESTAVA CERTO e o filho errado. Porém, ele abriu mão disso tudo para o mais importante: ele ganhou sua família de volta. O filho morto, agora vivia.

2- José perdoa os irmãos.

A essa altura, José já não podia mais conter-se diante de todos os que ali estavam, e gritou: "Façam sair a todos! " Assim, ninguém mais estava presente quando José se revelou a seus irmãos.
E ele se pôs a chorar tão alto que os egípcios o ouviram, e a notícia chegou ao palácio do faraó.
Então disse José a seus irmãos: "Eu sou José! Meu pai ainda está vivo? " Mas os seus irmãos ficaram tão pasmados diante dele que não conseguiam responder-lhe.
"Cheguem mais perto", disse José a seus irmãos. Quando eles se aproximaram, disse-lhes: "Eu sou José, seu irmão, aquele que vocês venderam ao Egito!
Agora, não se aflijam nem se recriminem por terem me vendido para cá, pois foi para salvar vidas que Deus me enviou adiante de vocês.
Já houve dois anos de fome na terra, e nos próximos cinco anos não haverá cultivo nem colheita.
Mas Deus me enviou à frente de vocês para lhes preservar um remanescente nesta terra e para salvar-lhes as vidas com grande livramento.
"Assim, não foram vocês que me mandaram para cá, mas sim o próprio Deus. Ele me tornou ministro do faraó, e me fez administrador de todo o palácio e governador de todo o Egito.
Voltem depressa a meu pai e digam-lhe: Assim diz o seu filho José: Deus me fez senhor de todo o Egito. Vem para cá, não te demores.
Tu viverás na região de Gósen e ficarás perto de mim — tu, os teus filhos, os teus netos, as tuas ovelhas, os teus bois e todos os teus bens.
Eu te sustentarei ali, porque ainda haverá cinco anos de fome. Do contrário, tu, a tua família e todos os teus rebanhos acabarão na miséria.
Gn 45.1-11.

Os irmãos do jovem José o vendem como escravo por inveja dele. Depois de muitos anos, eles os encontram novamente e ele tinha virado um grande governador no Egito. José poderia ter dito " vocês me venderam! Por culpa de vocês eu virei escravo e fui preso" mas ele deixou tudo aquilo pra trás pois conseguiu ver em tudo aquilo um plano de Deus. Para algumas pessoas, poucos momentos estragam anos de relacionamentos. Você consegue imaginar isso? Um casal que por causa de um dia ou uma noite acaba seu longo relacionamento? Um filho que em um dia desaponta seus pais? Um amigo que em poucos minutos que trai o amigo? Não para José. Para ele, aquele pequeno momento não foi o mais importante. Para ele, mais importante que olhar uma foto de um do filme é ver o filme todo e ver que aquele momento infeliz passou e um fim feliz chegou.
Assim como na história anterior, José abriu mão de: orgulho, posição superior, o "estar certo". Ele ganhou: sua família de volta, relacionamentos de paz e não de conflito.

3- Esaú perdoa Jacó.

Quando Jacó olhou e viu que Esaú estava se aproximando, com quatrocentos homens, dividiu as crianças entre Lia, Raquel e as duas servas.
Colocou as servas e os seus filhos à frente, Lia e seus filhos depois, e Raquel com José por último.
Ele mesmo passou à frente e, ao aproximar-se do seu irmão, curvou-se até o chão sete vezes.
Mas Esaú correu ao encontro de Jacó e abraçou-se ao seu pescoço, e o beijou. E eles choraram.
Então Esaú ergueu o olhar e viu as mulheres e as crianças. E perguntou: "Quem são estes? " Jacó respondeu: "São os filhos que Deus concedeu ao teu servo".
Então as servas e os seus filhos se aproximaram e se curvaram.
Depois, Lia e os seus filhos vieram e se curvaram. Por último, chegaram José e Raquel, e também se curvaram.
Esaú perguntou: "O que você pretende com todos os rebanhos que encontrei pelo caminho? " "Ser bem recebido por ti, meu senhor", respondeu Jacó.
Disse, porém, Esaú: "Eu já tenho muito, meu irmão. Guarde para você o que é seu".
Mas Jacó insistiu: "Não! Se te agradaste de mim, aceita este presente de minha parte, porque ver a tua face é como contemplar a face de Deus; além disso, tu me recebeste tão bem!
Aceita, pois, o presente que te foi trazido, pois Deus tem sido favorável para comigo, e eu já tenho tudo o que necessito". Jacó tanto insistiu que Esaú acabou aceitando.
Então disse Esaú: "Vamos seguir em frente. Eu o acompanharei".
Gn 33.1-12

Jacó enganou seu irmão. Roubou seu direito e sua bênção. Fugiu por causa do que tinha feito. Esaú, o irmão inocente enganado, fica pra trás, sem bênção e com ódio. O tempo passa, e assim como o tempo passou, o ódio de Esaú também passou e a saudade e o carinho pelo seu irmão já sumido há anos cresceu. Um dia, Jacó volta. Rico, mas humilhado. Enquanto o tempo deu paz ao coração de Esaú, o tempo só fez Jacó se sentir ainda culpado. Ele tinha se acertado com Deus, agora precisava do perdão do seu irmão mais velho. Ele se prostra e traz presentes. Esaú não se importa. Ele não quer presentes. Ele não quer uma admissão de culpa. Ele quer abraçar seu irmão há tanto perdido. Ele já tinha perdoado a Jacó, mas só agora, Jacó tinha vindo buscar o seu perdão que tanto precisava.

3 histórias de perdão.
Por acaso, as três acontecem dentro da família. Mas a família é um lugar de amor e compreensão onde sempre perdoamos uns aos outro? As vezes. Deveria ser, mas não é. Se você não perdoar seu irmão lá de casa, será que vai perdoar o irmãozinho lá da igreja que pisou no seu calo?
Deus sabe que temos dificuldade em perdoar. Em números 35 Deus ordena que os israelitas criassem algo chamado "cidades de refúgio". Se algum dia, acontecesse um acidente e alguém causasse a morte de alguém, essa pessoa inocente teria um lugar para fugir para que não houvesse ainda mais sofrimento por causa do ódio, da vingança cega. Deus pensou nisso pois Deus já sabia que as pessoas não perdoam com facilidade.
Para Deus, é muito importante que aprendamos a perdoar. Ele deixa isso bem claro. Um dos textos mais famosos da Bíblia toda é esse:

Vocês, orem assim: ‘Pai nosso, que estás nos céus! Santificado seja o teu nome.
Venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu.
Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia.
Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores.
E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal, porque teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Amém’.
Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará.
Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas".
Mt 6.9-15

Todos nós tempos a capacidade do perdão. Deus nos criou assim. Perdoar também é humano. Se fosse impossível, Deus não colocaria para nós como exigência.
Esta é uma das poucas na Bíblia em que vemos que Deus coloca uma condição ao seu perdão. Muitas vezes Deus perdoou o seu povo e continua perdoando, todo dia. Mas aqui Jesus nos diz que nem tudo é fácil assim. Seremos perdoados por Deus, se perdoarmos as pessoas. Se não perdoarmos, não seremos. Simples assim. Mas difícil de colocar em prática. Não podemos ignorar a importância disso: estamos falando do perdão de Deus, da nossa salvação. Temos que colocar em nossas vidas como prioridade: Tenho que aprender a perdoar!

Assim como nessas três histórias, temos que abrir mãos do orgulho e de nos acharmos superiores. Algumas pessoas se apegam ao ódio como se fosse algo bom! NÃO! ELE eu não perdoo! Ele foi longe demais! Como se você estivesse mantendo aquela pessoa como refém. Na verdade, aquele que pede perdão se liberta! Aquele que não perdoa é quem fica escravo da raiva, da amargura, do ódio. A outra pessoa pediu perdão e seguiu com a vida dela. Ela admitiu o erro e se humilhou. Ela SEGUIU EM FRENTE. Mas quando nós não perdoamos, nós ficamos parados. Somente quando perdoamos de verdade é que seguimos em frente. Temos que desapegar do orgulho, da superioridade e do ódio. Desapega!
Um versículo que vimos hoje resume tudo isso.

Então disse Esaú: "Vamos seguir em frente. Eu o acompanharei".
Gênesis 33:12


Precisamos seguir em frente. Você vai seguir preso ao seu ódio ou vai aprender a perdoar e seguir em frente com sua vida?