quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Pra que serve o jejum?



2 Sm 12.15-23
15. Depois que Natã foi para casa, o Senhor fez adoecer o filho que a mulher de Urias dera a Davi.
16. E Davi implorou a Deus em favor da criança. Ele jejuou e, entrando em casa, passou a noite deitado no chão.
17. Os oficiais do palácio tentaram fazê-lo levantar-se do chão, mas ele não quis, e recusou comer.
18. Sete dias depois a criança morreu. Os conselheiros de Davi ficaram com medo de dizer-lhe que a criança estava morta, e comentaram: “Enquanto a criança ainda estava viva, falamos com ele, e ele não quis escutar-nos. Como vamos dizer-lhe que a criança morreu? Ele poderá cometer alguma loucura!”
19. Davi, percebendo que seus conselheiros cochichavam entre si, compreendeu que a criança estava morta e perguntou: “A criança morreu?” “Sim, morreu”, responderam eles.
20. Então Davi levantou-se do chão, lavou-se, perfumou-se e trocou de roupa. Depois entrou no santuário do Senhor e o adorou. E, voltando ao palácio, pediu que lhe preparassem uma refeição e comeu.
21. Seus conselheiros lhe perguntaram: “Por que ages assim? Enquanto a criança estava viva, jejuaste e choraste; mas, agora que a criança está morta, te levantas e comes!”
22. Ele respondeu: “Enquanto a criança ainda estava viva, jejuei e chorei. Eu pensava: Quem sabe? Talvez o Senhor tenha misericórdia de mim e deixe a criança viver.
23. Mas agora que ela morreu, por que deveria jejuar? Poderia eu trazê-la de volta à vida? Eu irei até ela, mas ela não voltará para mim”.

Davi cometeu um pecado terrível e um filho nasceu desse ocorrido. A criança morreria como punição do pecado e Davi se arrepende, se coloca diante de Deus em jejum e em oração, implorando pela vida da criança. Apesar disso tudo, a criança falece. Ao descobrir que isso tinha acontecido, Davi levantou-se e seguiu com sua vida normal como rei. Ele esperava que sua posição de humilhação diante de Deus talvez O fizesse mudar de ideia. Como isso não aconteceu, ele lamentou e seguiu com a vida. Isso pode parecer uma reação fria, mas não se esqueça que ele tinha acabado de passar sete dias pedindo a misericórdia de Deus. Quando recebeu o “não” do Senhor, não o questionou mais.
O profeta tinha anunciado que seu filho morreria, mas mesmo assim, Davi insistiu com Deus. Existem relatos na Bíblia de casos onde servos do Senhor conversaram com Ele e fizeram Ele mudar de ideia ou aliviar alguma penalidade. Um dos exemplos mais famosos é Abraão pedindo que Deus salve Sodoma em Gênesis 18.
É curioso ver histórias de homens argumentando com Deus e pedindo sua misericórdia e muitas vezes, o jejum faz parte dessas petições. Em alguns casos vemos até que Deus muda seu plano inicial em favor daqueles que Ele ama.

1- O jejum nos aproxima de Deus
Joel 2.12-15
12. “Agora, porém”, declara o Senhor, “voltem-se para mim de todo o coração, com jejum, lamento e pranto.”
13. Rasguem o coração, e não as vestes. Voltem-se para o Senhor, o seu Deus, pois ele é misericordioso e compassivo, muito paciente e cheio de amor; arrepende-se, e não envia a desgraça.
14. Talvez ele volte atrás, arrependa-se, e ao passar deixe uma bênção. Assim vocês poderão fazer ofertas de cereal e ofertas derramadas para o Senhor, o seu Deus.
15. Toquem a trombeta em Sião, decretem jejum santo, convoquem uma assembléia sagrada.

Aqui vemos um relato direto da parte de Deus dizendo ao seu povo para se arrepender dos caminhos errados. O que está bem no meio disso tudo? O jejum. “Voltem-se para mim de todo o coração, com jejum, lamento e pranto”. O Senhor estabelece o jejum como parte fundamental do arrependimento daquele povo.
Um professor do meu seminário dizia que o jejum era como que um treinamento espiritual. Dizendo não ao alimento, algo que nosso corpo pede e é tão fundamental para nós, estamos nos fortalecendo. É o fortalecimento do domínio próprio. Existem muitas coisas em nossas vidas que não são necessárias e podemos abandona-las para nos aproximarmos do Senhor. O alimento, porém, é fundamental para a nossa existência. Quando abrimos mão daquilo que precisamos, e pior ainda, que gostamos muito, estamos dizendo um grande “não” para nós mesmos, um não para o nossa carne e colocando nossa vontade nas mãos do Senhor. É claro que nosso jejum tem um limite, pois depois disso o corpo começa a se enfraquecer. Mas apesar dessa fraqueza, nós enfraquecemos nossa carne também e nos aproximamos mais do Senhor.
O jejum não muda a Deus, mas muda a nós e nos faz mais próximos do Senhor.

2- O jejum deve ser íntimo entre você e Deus
Mateus 6.16-18
16. “Quando jejuarem, não mostrem uma aparência triste como os hipócritas, pois eles mudam a aparência do rosto a fim de que os outros vejam que eles estão jejuando. Eu lhes digo verdadeiramente que eles já receberam sua plena recompensa.
17. Ao jejuar, arrume o cabelo e lave o rosto,
18. para que não pareça aos outros que você está jejuando, mas apenas a seu Pai, que vê em secreto. E seu Pai, que vê em secreto, o recompensará.

Em vários lugares na Bíblia vemos o jejum sendo associado também a um momento de tristeza. Jônatas ficou sem comer quando se entristeceu com seu pai, o rei Saul (1 Samuel 20.34). Também é associado a humilhação diante de Deus, como por exemplo quando Nínive em peso creu em Deus e decretou um jejum para que o Senhor os aceitasse e os perdoasse (Jonas 3.5).
Apesar disso tudo, Jesus aqui fala que o jejum não deve ser espalhafatoso, não deve ser feito para chamar a atenção. Algumas pessoas que jejuavam queriam chamar a atenção dos outros e assim aparentar espiritualidade. Até essas pessoas interesseiras sabiam que jejum tem a ver com espiritualidade e proximidade de Deus. O Jejum é algo entre você e Deus. Ninguém precisa ficar sabendo e não precisa fazer propaganda. Aqueles que buscam glórias, já terão recebido sua recompensa entre os homens. Os humildes alcançarão a graça divina.

+++++++++
Para terminar, gostaria de citar o que alguns grandes pregadores disseram sobre o assunto.

“O jejum cristão nasce da fome de Deus”.  “O jejum revela o grau de domínio que o alimento tem sobre nós. O jejum cristão é um teste para conhecermos qual é o desejo que nos controla”. John Piper

·         “Nossas temporadas de oração e jejum no tabernáculo têm sido, na verdade, dias de elevação; nunca a porta do céu esteve mais aberta; nunca os nossos corações estiveram mais próximos da glória.” Charles Haddon Spurgeon

·         “O jejum é um instrumento de mudança, não em Deus, mas em nós. Leva-nos ao quebrantamento e a humilhação e a ter mais gosto pelo pão do céu, do que pelo pão da terra. Jejum não é greve de fome, regime para emagrecer ou ascetismo. Também não é meritório. Ele sempre se concentra em finalidades espirituais.” Hernandes Dias Lopes

Jejum é uma abstinência com uma finalidade espiritual. Começar a jejuar é começar a morrer, é abrir mão daquilo que é essencial à sobrevivência, à subsistência. É uma forma de dizer que em algum momento da vida nós nos deparamos com uma realidade que é mais importante que a nossa própria sobrevivência. Jejum é esse passo em direção aquilo que é mais importante do que o permanecer vivo. Tudo isso precisa ser feito em um anonimato, e não depende de nós, mas de Deus. Nós não conquistamos, nós recebemos dádivas.” Pr. Ed René Kivitz

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Vitória e derrota


Existe um ditado popular que diz: diga-me com quem andas e te direi quem és.
Você concorda com esse ditado?

2 Crônicas 24:1
Joás tinha sete anos de idade quando se tornou rei, e reinou quarenta anos em Jerusalém. O nome de sua mãe era Zíbia; ela era de Berseba.

A história de hoje é focada em dois homens. Um era Joás, um rei, que começou  muito cedo a reinar, e o outro era Joiada, um sacerdote de Israel.
Podemos ver grandes coisas escritas a respeito de Joiada:

2 Crônicas 23:16-17
E Joiada fez um acordo pelo qual ele, o povo e o rei seriam o povo do Senhor.
Então todo o povo foi ao templo de Baal e o derrubou. Despedaçaram os altares e os ídolos, e mataram Matã, sacerdote de Baal, em frente dos altares.

Como sacerdote, Joiada acabou com uma rebelião, restaurou o templo como o lugar de adoração a Deus e guiou o povo a um acordo de fidelidade. Ele, o povo e o rei seriam daquele dia em diante o povo do Senhor. Joiada se demonstrou um servo fiel de Deus e um bom sacerdote.
E quando a Joás, o jovem rei?

2 Crônicas 24.2
Joás fez o que o Senhor aprova enquanto viveu o sacerdote Joiada.

Na versão do livro de 2 reis a frase fica um pouco diferente.

2 Reis 12:2
Joás fez o que o Senhor aprova durante todos os anos em que o sacerdote Joiada o orientou.

Esse verso nos traz uma história feliz, afinal o rei foi fiel a Deus e fez o que Ele aprova! Mas o final da frase é um banho de água fria. Ele fez isso, enquanto o sacerdote esteve vivo e o orientou.

2 Crônicas 24:14b-16
Enquanto Joiada viveu, holocaustos foram apresentados continuamente no templo do Senhor.
Joiada chegou à idade avançada, e morreu com cento e trinta anos.
Ele foi sepultado com os reis na cidade de Davi, em atenção ao bem que havia feito em Israel em favor de Deus e do seu templo.

Joiada, um grande sacerdote, homem de Deus, que fez Israel voltar ao caminho correto de Deus e ainda organizou uma reforma para o templo. Se lermos o capítulo de 2 Crônicas 23 ainda vemos que ele e sua esposa salvaram a vida do rei recém nascido e ele acabou com a rebelião. Se não fosse por ele, talvez Joás nem teria sobrevivido para ser rei.
Ele, com alta idade, faleceu, com grandes honras que não eram reservadas para alguém de sua classe social. Mesmo sendo sacerdote, foi enterrado em meio aos reis de Israel. Maior honra não poderia haver.
E quanto ao rei Joás? Que fim levou ele, um jovem promissor que estava junto desse sacerdote por praticamente toda sua vida? O que aconteceu com o jovem que reinou por 40 anos e tinha sido ensinado por um grande homem como Joiada?

2 Crônicas 24:17- 19
Depois da morte de Joiada, os líderes de Judá foram falar com o rei e lhe prestaram reverências, e ele aceitou o que disseram.
Então abandonaram o templo do Senhor, o Deus dos seus antepassados, e prestaram culto aos postes sagrados e aos ídolos. Por culpa deles, a ira de Deus veio sobre Judá e Jerusalém.
Embora o Senhor tivesse enviado profetas ao povo para trazê-los de volta para ele e os profetas tivessem testemunhado contra eles, o povo não quis ouvi-los.

Quantas vezes já não erramos? Quantas vezes não desobedecemos os mandamentos de Deus? Mesmo assim Deus está disposto a nos ouvir e nos perdoar. A Bíblia está recheada de histórias de pessoas que cometeram grandes erros, mas encontraram o amor e a graça de Deus. O texto nos fala que profetas foram enviados e pregaram a palavra de Deus. Mesmo assim o povo não ouviu.

Romanos 3:22b -24
Não há distinção, pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus,
sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus.

A Bíblia nos coloca em pé de igualdade como raça humana dizendo que todos pecamos e precisamos da misericórdia de Deus.
Talvez seja arrogância da nossa parte querer julgar o que Joás fez achando que é um absurdo, porque também temos as mãos cheias de pecados. Devemos, porém, no mínimo, aprender com a vida e os erros dele, para não cair na mesma tentação. Porém ao invés de aceitar seus erros, humilhar-se diante de Deus e pedir perdão pelos seus pecados, Joás foi ainda mais longe.

2 Crônicas 24:20-22
Então o Espírito de Deus apoderou-se de Zacarias, filho do sacerdote Joiada. Ele se colocou diante do povo e disse: "Isto é o que Deus diz: ‘Por que vocês desobedecem aos mandamentos do Senhor? Vocês não prosperarão. Já que abandonaram o Senhor, ele os abandonará’ ".
Mas, alguns conspiraram contra ele e, por ordem do rei, apedrejaram-no até à morte no pátio do templo do Senhor.
O rei Joás não levou em conta que Joiada, pai de Zacarias, tinha sido bondoso com ele, e matou o seu filho. Este, ao morrer, exclamou: "Veja isto o Senhor e faça justiça! "

O filho de Joiada tinha sido escolhido por Deus para ser um porta-voz do Senhor. Assim como seu pai, ele continuaria pregando a palavra do Senhor e corrigindo o povo de seus maus caminhos. Mas infelizmente eles não ouviram Zacarias como tinham ouvido seu pai. O rei mandou que o matassem, ignorando totalmente tudo o que Joiada, o pai da vítima, tinha feito pelo povo de Deus. No momento de morte, Zacarias lança suas últimas palavras de profecia anunciando que o Senhor traria justiça.

2 Crônicas 24:24,25
Embora o exército arameu fosse pequeno, o Senhor entregou nas mãos dele um exército muito maior, por haver Judá abandonado o Senhor, o Deus dos seus antepassados. Assim o juízo foi executado sobre Joás.
Quando os arameus foram embora, deixaram Joás seriamente ferido. Seus oficiais conspiraram contra ele, porque ele tinha assassinado o filho do sacerdote Joiada, e o mataram em sua cama. Assim ele morreu e foi sepultado na cidade de Davi, mas não nos túmulos dos reis.

Aqui vemos qual foi o final do rei Joás. Um homem que começou bem, sob o conselho de um servo de Deus, jovem e promissor, se tornou um assassino, foi humilhado em guerra e quando ferido e indefeso, foi traído pelos seus próprios compatriotas, pois tinha matado o filho de Joiada, quem tinha sido seu conselheiro e quem tinha salvado sua vida. Além disso, ainda foi sepultado em um lugar de pouco destaque. Nem sabemos exatamente onde, só que não foi onde os reis eram sepultados. Ou onde o próprio Joiada tinha sido sepultado.

Que triste fim para esse homem que não soube ser fiel a Deus e preferiu ouvir o conselho de línguas venenosas. Um homem que tinha sido ensinado no bom caminho do Senhor, no momento em que seu líder morre, abandona tudo aquilo que tinha aprendido e se torna o responsável pela decadência de tudo o que seu mestre tinha reconstruído.

++++++++++++++++++++++++++++++
Da vida de Joás devemos aprender duas coisas:
1- Seu relacionamento com Deus é pessoal
Não importa se você frequenta a igreja, se seus pais são cristãos fervorosos, se você nasceu em berço cristão. Nada disso importa no seu relacionamento com Deus. Por quê? Porque você tem que andar com Deus. Seus pais podem ser fiéis, seus irmãos, toda sua família e seus amigos, mas se você se afastar de Deus, você ficará longe do Senhor e vai perder tudo o que Ele tem a nos oferecer.
Meu professor de escola dominical dizia que “não existem netos de Deus. Só filhos de Deus.” Você é responsável pelo seu relacionamento com Deus.
O mesmo acontece com seus familiares. Se você for como Joiada e servir a Deus, dar bom exemplo e ensinar seus filhos no caminho correto, ainda assim é possível que eles não sigam o caminho correto se eles assim escolherem. A liberdade que Deus nos deu para escolher o rumo de nossa vida é real. Ninguém irá amarrado para o céu. Você será salvo se escolher o caminho da salvação no Senhor. Não ache que a religiosidade de seus pais ou amigos te darão “pontos” diante de Deus. Você deve andar com Deus.

2- Não use as pessoas como muletas da sua fé
O rei Joás era fiel a Deus, mas a partir do momento que Joiada morreu, ele se desviou totalmente do caminho correto. Ele dependia de Joiada de tal maneira que ele não sabia ser servo de Deus sem ele. Talvez isso queira dizer que ele, na verdade, não era obediente ao Senhor. Ele era como aquela pessoa que vai a igreja porque sua família leva. Como aquela pessoa que ora porque todos estão orando e canta porque todos estão cantando. Mas não o faz de coração, porque na primeira oportunidade, assim como Joás fez, ela escolhe seguir o caminho da destruição e do pecado.

Como anda sua vida espiritual? Você tem sido um seguidor de Cristo? Você como pessoa, sozinho, consegue estar com Deus e adorá-lo? Você fala com Deus e se dedica às coisas de Deus mesmo quando ninguém vê?
Você depende muito das pessoas para fazer as coisas para Deus? Quando os outros se vão, você continua cristão, ou tem duas caras? Tem sido fácil ser cristão na igreja mas difícil durante a semana no trabalho, em casa e nas ruas?

Temos que refletir na vida de Joiada e de Joás. Um foi um servo fiel até o fim e usou sua vida fazendo a obra do Senhor. Mesmo em morte foi coberto de honras. O outro é um rei, que mesmo sendo a pessoa mais importante do país, é uma pessoa miserável por dentro, que trai seu mestre, seu Deus e seu país quando os outros não estão olhando.
Quem você tem sido? O sacerdote ou o rei? Reflita sobre sua vida e mude.

2 Crônicas 22.19
Embora o Senhor tivesse enviado profetas ao povo para trazê-los de volta para ele e os profetas tivessem testemunhado contra eles, o povo não quis ouvi-los.

Deus tem falado. Ele tem ensinado. Ele tem corrigido. Não seja teimoso. Ouça a palavra do Senhor e endireite seus caminhos enquanto ainda há tempo.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Oração ao Deus verdadeiro


2 reis 19.15-19
E Ezequias orou ao Senhor: "Senhor, Deus de Israel, que reina em teu trono, entre os querubins, só tu és Deus sobre todos os reinos da terra. Tu criaste os céus e a terra.
Dá ouvidos, Senhor, e vê; ouve as palavras que Senaqueribe enviou para insultar o Deus vivo.
É verdade, Senhor, que os reis assírios fizeram de todas essas nações e seus territórios um deserto.
Atiraram os deuses delas no fogo e os destruíram, pois não eram deuses; eram apenas madeira e pedra moldadas por mãos humanas.
Agora, Senhor nosso Deus, salva-nos das mãos dele, para que todos os reinos da terra saibam que só tu, Senhor, és Deus".

O rei Ezequias estava aflito. Um grande inimigo o cercava. Parecia poderoso demais para resistirem. Ele busca a ajuda do Senhor. Ele busca o refúgio em Deus. Ele entende que não são muralhas que os protege, mas sim o Senhor dos exércitos.
Nesse trecho vemos Ezequias pedindo que Deus os livre e ele afirma: é verdade que esse povo tem destruído nações e deuses, mas só fizeram isso porque esses deuses eram só estátuas. O Senhor é real. Jeová é Deus verdadeiro. O único, o criador e o Todo-Poderoso.
Esse é o Deus que viemos adorar hoje. Não uma estátua feita de pedra por mãos humanas. Um Deus real, verdadeiro e que ouve nossa oração e nosso louvor.
Deus decidiu livrar Ezequias e Israel naquele dia e os assírios, por maior que fosse seu exército, teriam que aceitar a derrota, pois eles não estavam indo contra Israel. Eles estavam indo contra o Deus de Israel.
Busque ao Senhor nesse dia. Assim como Ezequias fez, busque forças no Senhor e entregue a Ele todo o louvor, a adoração e tudo o que você é. Entregue-se nas mãos do Senhor. É Ele quem te protege. É Ele quem cuida de você.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Até onde você vai?


Ester 7.3-4
3. Então a rainha Ester respondeu: “Se posso contar com o favor do rei, e se isto lhe agrada, poupe a minha vida e a vida do meu povo; este é o meu pedido e o meu desejo.
4. Pois eu e meu povo fomos vendidos para destruição, morte e aniquilação. Se apenas tivéssemos sido vendidos como escravos e escravas, eu teria ficado em silêncio, porque nenhuma aflição como essa justificaria perturbar o rei”.


O rei Xerxes (ou Assuero) da Pérsia tinha uma nova rainha, Ester. Ela não revelou ao rei mas ela pertencia ao povo israelita, logo não era da mesma nação que o rei. Quando um dos líderes do rei decide armar um plano para que todo o povo de Ester seja eliminado, ela e seu amigo Mardoqueu ( ou Mordecai) ficam extremamente preocupados. Ester decide ir até a presença do rei, o que era proibido, exceto se fosse chamada, para interceder pelo seu povo. Mardoqueu e o resto do povo ficou orando e jejuando para que o plano desse certo.
No final das contas, Ester levou adiante seu plano e o rei concedeu o pedido que eles tanto desejavam e assim Israel conseguiu não só se defender, mas também destruir os inimigos que buscavam sua morte.
Ninguém conseguia resistir-lhes, porque todos os povos estavam com medo deles.
Várias coisas levaram a essa vitória:
  1. A vontade de Deus: eles eram o povo escolhido de Deus e o inimigo não poderia destruí-los. Eles buscaram a vitória em Deus, na oração e na batalha.
  2. A sabedoria: Ester sabia que teria que pedir misericórdia ao rei, e fez isso aos poucos, para que quando ela pedisse, o sim já estivesse garantido. Claro, isso só ocorreu porque Deus estava por trás de tudo e pela sabedoria da rainha Ester.
  3. A coragem para ir além do esperado: Ela poderia abandonar seu povo, já que ela já era rainha, mas ela não abandonou suas raízes. Ela mostrou que, mesmo que custasse a sua vida, ela não desistiria, ela faria a vontade de Deus e salvaria seu povo.
Muitas vezes nós temos nos esforçado pouco para fazer coisas que precisamos fazer, mas achamos chatas ou inconvenientes. Mesmo sabendo que podia custar sua vida, Ester levou adiante a vontade de Deus. Ela estava confortável em sua situação, mas não podia ficar em paz sem fazer nada sabendo que ela podia salvar aquelas vidas.
Jesus fez o mesmo também ao fazer a vontade de Deus, mesmo que isso custasse sua vida.
Qual é o seu limite? Qual seria a situação em que você largaria de Deus e seguiria com sua vida? Ester nos mostrou que para os servos de Deus, não existe esse limite. Não houve fim para o amor de Cristo por nós. Da mesma maneira, devemos fazer sua obra com dedicação sem limites, não importa os desafios que se coloquem em nossa frente.
Peça a Deus a força para enfrentar os desafios. Com Ele não podemos ser vencidos.